1271 dias com ele...




Um ano depois e não, não te esqueci.


Um ano depois e sim, penso em você todos os dias... Ainda.

Um ano depois e de todos os sentimentos que tive e que foram e voltaram e me implodiram e reconstruíram e marcaram... De todos esses sentimentos, alguns, permanecem. O maior deles? “Inconformismo”. Eu ainda olho pra nós e não me conformo. A gente não podia ter se perdido.

Um ano depois e tudo que formava o “nós dois” vai se transformando em “eu”.  A muito custo, porque parte de mim ainda luta pra manter alguma coisa desse sentimento, tão grande e forte, vivo.

Um ano depois e muitos processos ainda estão em andamento. Já consigo falar de coisas que vivi contigo sem, contudo, te citar. Consigo lembrar nós dois sem morrer.


Um ano depois e ainda não sei o que pensar sobre o amor. Ainda estou com medo. Não sei como isso tudo me modificou nessa área. Embora eu desconfie que você tenha sido meu último amor inocente. Foi pra você que, pela última vez, eu me entreguei sem olhar pra trás e nem pra frente. Sem armaduras. Porque eu confiava plenamente em nós dois, a minha certeza era redundantemente absoluta. Apesar de todos os “se”, eu sabia que a gente ia “ficar juntos no final”.

Um ano depois e sei que não tem ”final”.

Um ano depois e sei que o amor é necessário, mas não é suficiente.

Um ano depois e já consigo olhar uma foto sua.

Um ano depois e olho pra todos os lugares dessa cidade que testemunharam nossos beijos e entendo que foram testemunhas de um encontro raro.

Um ano depois... Dos 1271 dias que se contam do nosso primeiro beijo à fatídica notícia que nos apartaria, eu sei que a maior parte desses dias foi de felicidade imensa.

Um ano depois e apesar de tanta dor eu posso me dizer do amor que tive, que não foi imortal... Mas foi infinito.

Um ano depois e...


Não quero mais brincar de esquecer

Meu coração ficou exausto
Cansou de tanto relevar
Tuas promessas não cumpridas
Palavras esquecidas

Não quero mais brincar de esperar

Meus sonhos todos despertaram
Cansaram de aguardar você
Em minhas noites mal dormidas
De ilusões fingidas

Tchau

Me deixa, eu to legal
Vai ser bem melhor assim
Eu mesmo cuidando de mim
Eu mesmo me amando, só
Eu quero ficar melhor
Eu quero te dizer
Tchau
Me deixa, eu to legal
Vai ser bem melhor assim
Eu mesmo cuidando de mim
Eu mesmo me amando, só
Eu quero ficar melhor
Por isso eu te digo
Tchau... tchau

Não quero mais brincar de esquecer

Meu coração ficou exausto
Cansou de tanto relevar
Tuas promessas não cumpridas
Palavras esquecidas

Não quero mais brincar de esperar

Meus sonhos todos despertaram
Cansaram de aguardar você
Em minhas noites mal dormidas
De ilusões fingidas

Tchau

Me deixa, eu to legal
Vai ser bem melhor assim
Eu mesmo cuidando de mim
Eu mesmo me amando, só
Eu quero ficar melhor
Eu quero te dizer
Tchau
Me deixa, eu to legal
Vai ser bem melhor assim
Eu mesmo cuidando de mim
Eu mesmo me amando, só
Eu quero ficar melhor

Eu quero te dizer

Tchau
Me deixa, eu to legal
Vai ser bem melhor assim
Eu mesmo cuidando de mim
Eu mesmo me amando, só
Eu quero ficar melhor

Eu quero te dizer

Tchau
Me deixa, eu to legal
Vai ser bem melhor assim
Eu mesmo cuidando de mim
Eu mesmo me amando, só
Eu quero ficar melhor

Por isso eu te digo

Tchau
Por isso eu te digo
Tchau
Te digo tchau
Tchau.


posted under | 0 Comments

Datas

E eu parei de guardar as datas... mau sinal.

Ou não, apenas um sinal de que as coisas hoje são muito diferentes, eu sou muito diferente.

Nada surpreendente também... a gente não pode passar pela vida e permanecer estático... a gente não pode ter o coração estraçalhado daquela maneira e continuar igual. E agora eu tenho que trabalhar as minhas crenças, não posso ou não quero, deixar o medo tomar conta de mim e tampouco posso esperar que alguma coisa de antes me encontre no agora.

Eu preciso de magia, mas acho que será um encanto diferente... Livre de tal encanto, por enquanto, eu tendo a acreditar que nunca mais será puro... A não ser que o amor seja mesmo de capaz de colar “os pedaços quando um coração se quebra, mesmo que seja de aço, mesmo que seja de pedra”... 


posted under | 1 Comments

Agosto





para a cabeça: pensamentos construtivos
para os ouvidos: love songs
para o nariz: nariz
para os olhos: clarão
para a boca: beijos
para os cabelos: cafuné
para o pescoço: colares
para o peito: afrouxamento de nó
para as mãos: hidratante
para a barriga: exercícios
para o quadril: vai e vem
para as pernas: resistência
para os pés: longas estradas


Quase 1 ano sem desejar nada para o mês que se inicia. Finalmente tive vontade. E logo o mês de agosto (dizem que um mês de mau agouro).

Sou mais de não acreditar nessas coisas,ou ainda de crer só no que eu acho legal para dado momento... uma filosofia mais para :



Yo no creo en brujas, pero que las hay, las hay

ou

“Sonhos são como deuses, quando não se acredita neles, deixam de existir.”

No mais, aguardo um agosto feliz.

posted under | 0 Comments

All of our bridges burnt down...





Não ficou nada combinado... Não combinamos absolutamente nada. Não tínhamos ideia da treta... Não adivinhamos que seria amor. Que seria esse amor, que seria enorme, intenso, grave... Não previmos a dor... 
Agora o mundo mudou.
Você fora de mim, é nada. Lendo Caio F. Abreu (nada recomendável, mas inevitável) vi a seguinte citação:

“Eu queria você aqui, mas você está aí. E o aí não tem idéia da sorte que ele tem.”

E a única coisa com a que eu concordo é sobre querer você aqui. Porque lá, aí... onde diabos vocês esteja, não importa. E esse lugar onde você está tem um azar enorme de te ter sem mim.

posted under | 0 Comments

um raro balé que o amor inventou



Mais de seis meses atrás eu li essa frase: “Ainda há tempo de mudar o caminho em que você está.”

Eu fechei os olhos e acreditei, acreditei que você ia mudar a sua estrada e vir pra minha vigem, comigo. Eis meu grande erro (um dos)... Eu sonhei com a mudança do seu caminho. Quando a gente só pode mudar mesmo o nosso, próprio e intransferível jeito de viver e ver as coisas.
Para mim tava tudo muito claro.

“A gente se ama, nosso encontro não é um encontro qualquer. Sentimentos assim não acontecem todo dia e a força disso tudo vai resolver os impasses”

Eu daria risada, se não estivesse chorando ainda minhas perdas.

Entendo que a maioria das minhas perdas foi de coisas criadas por mim, mas não, não é tudo culpa minha. Você não teve forças, você não quis. Você olhou pra mim e pra nossa história e entendeu que não valeria a pena.

Ainda demora pra fazer algum sentido pra mim. Encontro-me inconformada ainda, apesar de tudo que eu sei, senti e vi... Sem falar das que imaginei.

o tempo não apaga essa chama
por mais que eu conheça outras camas
por mais que eu queira ser feliz, mesmo assim
me lembro da gente no espelho
num raro balé que o amor inventou
pra nós dois
os dois amar
um poder esquisito
que nos faz mais bonitos
e que agora insiste em não me abandonar
viver sem você é o vício
de só representar…

posted under | 0 Comments

A carta que eles NUNCA escreverão

 
Palavras que poderiam ser ditas, mas ficam guardadas, entaladas ou escondidas atrás do caso com uma mina qualquer

    Bom dia, Dadica,

    Minha alma está doendo por começar esta carta, mas vamos lá. Eu deveria ter te dito tudo ontem, mas as palavras não saíram. Quando olho pra você minha garganta fecha. De alguma forma acho que isso é amor... Talvez um pouco de medo também. Mas a verdade é que não dá mais pra mim. Essa casa... sua cara de quem está precisando muito mais do que posso dar... nosso sexo que só sai depois de nos destruirmos com palavras e agressões cada vez mais profundas... Não estamos indo pra lugar nenhum e sonhamos com lugares muito diferentes. Você quer um filho. Eu quero uma garrafa de Jack Daniel´s. Você quer Índia. Eu quero Berlim. Já não caminhamos mais lado a lado e tenho cada vez mais certeza de que o que nos mantém juntos é o medo de estarmos separados e não mais a real vontade de estar junto. Há amor (sei que há), mas não é ele que me comove. Olho nossas fotos e morro de saudade do que fomos. Morro também de tristeza por perceber que não somos mais.
    Eu sei que você vai chorar e que esta carta vai te devastar. A mim também, tenha certeza. Sei que você vai me achar covarde por não conseguir falar... Mas este sou eu. O mesmo cara que não conseguiu dizer que te queria há seis anos. Por algum motivo quando olho pra você minhas palavras somem. Sua beleza segura, o ar levemente triste que te acompanha, teu sorriso revelador... tudo isso me cala. Me calou lá atrás quando todo meu corpo te queria e me cala agora quando este mesmo corpo deseja partir. Sei que você está tentando não ver o quanto somos uma fruta passada que por algum fenômeno da natureza não caiu do pé. Mas estamos podres, Amanda. Estamos tristes. E não é um filho que vai mudar isso, nem a ioga na Índia, nem a tal terapia de casal... Estamos esperando que um milagre aconteça, mas não atentamos para o fato de que não acreditamos em milagres.
    Não vou ao futebol. Nos vemos aqui à noite pra conversar.
    Estou tomando coragem.
    Cortei mamão. Tá na geladeira.
 
Twitter: @euliatulias
 
 
 

posted under | 0 Comments
Postagens mais recentes Postagens mais antigas Página inicial
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

Followers


Recent Comments