A carta que eles NUNCA escreverão

 
Palavras que poderiam ser ditas, mas ficam guardadas, entaladas ou escondidas atrás do caso com uma mina qualquer

    Bom dia, Dadica,

    Minha alma está doendo por começar esta carta, mas vamos lá. Eu deveria ter te dito tudo ontem, mas as palavras não saíram. Quando olho pra você minha garganta fecha. De alguma forma acho que isso é amor... Talvez um pouco de medo também. Mas a verdade é que não dá mais pra mim. Essa casa... sua cara de quem está precisando muito mais do que posso dar... nosso sexo que só sai depois de nos destruirmos com palavras e agressões cada vez mais profundas... Não estamos indo pra lugar nenhum e sonhamos com lugares muito diferentes. Você quer um filho. Eu quero uma garrafa de Jack Daniel´s. Você quer Índia. Eu quero Berlim. Já não caminhamos mais lado a lado e tenho cada vez mais certeza de que o que nos mantém juntos é o medo de estarmos separados e não mais a real vontade de estar junto. Há amor (sei que há), mas não é ele que me comove. Olho nossas fotos e morro de saudade do que fomos. Morro também de tristeza por perceber que não somos mais.
    Eu sei que você vai chorar e que esta carta vai te devastar. A mim também, tenha certeza. Sei que você vai me achar covarde por não conseguir falar... Mas este sou eu. O mesmo cara que não conseguiu dizer que te queria há seis anos. Por algum motivo quando olho pra você minhas palavras somem. Sua beleza segura, o ar levemente triste que te acompanha, teu sorriso revelador... tudo isso me cala. Me calou lá atrás quando todo meu corpo te queria e me cala agora quando este mesmo corpo deseja partir. Sei que você está tentando não ver o quanto somos uma fruta passada que por algum fenômeno da natureza não caiu do pé. Mas estamos podres, Amanda. Estamos tristes. E não é um filho que vai mudar isso, nem a ioga na Índia, nem a tal terapia de casal... Estamos esperando que um milagre aconteça, mas não atentamos para o fato de que não acreditamos em milagres.
    Não vou ao futebol. Nos vemos aqui à noite pra conversar.
    Estou tomando coragem.
    Cortei mamão. Tá na geladeira.
 
Twitter: @euliatulias
 
 
 

posted under | 0 Comments



Tá errado não poder te abraçar.
Tá errado não sentir a sua barba arranhando minha bochecha.
Tá errado não sentir os seus cabelos entre os meus dedos.
Tá errado não te ver.
Tá errado não te encontrar.
Tá errado não ouvir o seu coração batendo.
Tá errado não ouvir que bate assim por mim.
Onde estão as suas mãos? Seus lábios, onde estão?

posted under | 0 Comments

Talvez, quem sabe, um dia...

Acho que posso dizer que é amor, sim. Mesmo que a gente tenha se perdido para que eu pudesse encontrar a mim mesma. Mesmo que a gente tenha se perdido para que você pudesse buscar a si mesmo. É amor porque eu te guardo na lembrança bonita do meu crescimento, da descoberta do que era a co-dependência ou da fusão que subtrai. É amor, porque cantamos juntos, dançamos juntos, choramos juntos, fizemos amor intensamente, trocamos profundamente as angústias da alma, torcemos um pelo outro, nos ajudamos, viajamos juntos, gargalhamos desarvoradamente, dormimos juntos no melhor abraço um do outro, descobrimos novas músicas, sinônimos, livros, enlouquecemos lindamente, brigamos muito, fizemos as pazes várias vezes e fomos embora um do outro quando nada mais era poesia. Não foi triste, mas doeu profundamente. Uma dor resignada porque eu podia ver com clareza que já não nos acrescentávamos nada. E aprendi a trabalhar o desapego e o perdão. E hoje, quando vejo você sorrir, eu sinto que estamos bem e que fizemos a coisa certa. E o amor só pode ser isto: querer que o Outro encontre a felicidade a qualquer custo, mesmo que isso exclua você da plenitude dele. Mesmo que isto exclua o Outro da sua plenitude.
Marla de Queiroz

posted under | 1 Comments

Eu já me esqueci de cór ♫♪



Eu me sinto machucada... Eu rondo a cidade a procurar sem encontrar... Eu falo demais, bebo demais e saio por aí, bar em bar, bar em bar e toda vez que eu saio eu me preparo pra talvez o ver.
Estou sempre acompanhada... Evito estar só. Eu sinto falta dele como se um nutriente estivesse faltando no meu organismo, eu passo mal.

Os lugares, as músicas, os sabores... A pele que era minha pele, que atingia o meu calor.

E nem loucuras eu posso cometer, não sobrou espaço. Não há nenhuma realidade onde possamos estar perto... Perdemos totalmente o equilíbrio e ainda assim é como se a energia dele me acompanhasse.

Porque era como se a gente não pudesse estar errados juntos, e hoje o seu amor é como uma sombra sobre mim, o tempo todo. E eu não sei o que fazer, estou sempre na escuridão. Antes eu estava apaixonada e agora estou aos pedaços.

Eu já não me recordo mais seu nome, quais os outros nomes que lhe dei. Só o cheiro do seu cheiro não consegue ser tão fugaz... Nas pessoas, peles, colos, sexo, bocas, onde nunca está.


posted under | 0 Comments
Postagens mais recentes Postagens mais antigas Página inicial
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

Followers


Recent Comments