Versos inteiros


Perdoem-me a ausência e o pouco falar
A imensidão em mim está vazia
Não sinto os versos tortos que escorrem da mão fria
Não posso deles usar.

Ainda que o instinto deseje
Mesmo que os versos em mim rastejem
E a boca já não contenha o falar
Deles eu ainda não posso usar.

Serão versos inteiros
Quando por eles o coração pulsar
E o vazio traiçoeiro em mim não mais habitar
E eles eu já não puder mais guardar.
Sem mais para o momento.

posted under |

0 comentários:

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial
Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

Total de visualizações de página

Followers


Recent Comments